Radiografia da arquitetura social do crime

O Festival Varilux de Cinema Francês, que está sendo realizado simultaneamente em nove cidades do país (Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Curitiba, Recife e Fortaleza), nos presenteou com sessões antecipadas de “Un prophète” (no original), do realizador Jacques Audiard, com estreia prevista para o próximo dia 18.

Filme sensação na França − que arrastou para as salas de cinema mais de 1 milhão de pessoas −, “O profeta” radiografa o purgatório existencial de Malik El Djebena (Tahar Rahim) na prisão. Condenado a seis anos, Malik, analfabeto e ateu, é sugado pelas turbinas do microuniverso carcerário e precisa aprender que sobrevivência e obediência são dois conceitos atrelados.

Imigrante com raízes tanto na cultura árabe como na francesa, Malik é cooptado por uma facção de corsos e obrigado a cometer assassinato para preservar seu próprio pescoço. A facção é liderada por César Luciani (Niels Arestrup, em atuação magistral), veterano na penitenciária que acaba agregando Malik à sua proteção – mais pela conveniência do que por algum sentimento fraternal. O jovem é batizado com sangue na liturgia do cárcere, e começa, aos poucos, a amadurecer na universidade do crime – o inexpressivo delinquente que, ao compreender a dinâmica da política na prisão, galga degraus na hierarquia da contravenção e acaba se transformando num dos líderes do crime organizado.

Audiard e suas câmeras inquisitivas e nervosas, que funcionam como testemunhas em terceira pessoa da arquitetura social do submundo prisional, exploram enquadramentos asfixiantes, com closes que deixam claros não só a exiguidade de espaço físico, mas, também, a constrição das vontades. Stéphane Fontaine, diretor de fotografia, deve ser elogiado pela composição das cenas claustrofóbicas e pelos tons cinzentos com que ilustra a consternação daquela situação.

O drama, sem proselitismo, transparece que a conduta humana é determinada pelas circunstâncias. A moral se torna relativa em certos contextos. Malik nem percebe a inocência de seu olhar esmaecer ao descobrir que o instinto de sobrevivência fala mais alto do que noções maniqueístas de certo e errado. O juridicamente duvidoso se expande ao ser confrontado com a lâmina do vizinho de cela. Assombrado pelos pecados de seu passado, ele desenvolve uma sensibilidade ímpar que o ajudará a lidar com situações extremas – o profeta que flerta com a morte, mas é auxiliado por ela, seu carrasco e anjo da guarda.

O roteiro, de autoria de Thomas Bidegain e do próprio Jacques Audiard, destaca não só a concepção de sobrevivência na cadeia, mas também na existência fora das grades. Como um ex-detento pode conciliar as necessidades próprias e da família com as restrições e dificuldades do mundo cão? Crítica ao processo de ressocialização, que não deveria ficar restrito à oportunidade desassistida. A penitenciária é um mundo à parte, no qual muitos saem mais podres do que quando entraram.

O filme teve seu passaporte carimbado com o Bafta de Melhor Filme Estrangeiro em 2010, o Prêmio do Júri no Festival de Cannes 2009 e nove prêmios no César Awards 2010, a láurea máxima do cinema francês. Também foi indicado ao Oscar (perdeu a estatueta para “O segredo de seus olhos”) e ao Globo de Ouro 2010 na categoria Melhor Filme Estrangeiro. Tal pedigree garantiu à produção visibilidade suficiente para atiçar a libido do mercado cinematográfico mundial, garantindo a distribuição do longa para os principais polos exibidores.

Carlos Eduardo Bacellar

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Carlos Eduardo Bacellar, Filmaço!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s