O homem lobo do homem

“Bellum omnium contra omnes”

Alçado ao panteão dos anti-heróis do cinema brasileiro, à custa de muito sangue e lágrimas derramados – e muitos DVDs piratas vendidos −, com o filme “Tropa de Elite” (2007), o capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) Roberto Nascimento (Wagner Moura), agora tenente-coronel, volta às telas para tentar exorcizar seus demônios e livrar a cidade do Rio de Janeiro do mal “sistêmico” na continuação homônima, dirigida também por José Padilha.

O roteiro, assinado por Padilha e Bráulio Mantovani, traz um Nascimento desiludido e amargurado que precisa conciliar o trabalho na polícia com o relacionamento turbulento com o filho Rafael (Pedro Van-Held), a ex-mulher Rosane (Maria Ribeiro) e o atual marido dela, Fraga (Irandhir Santos), um militante de esquerda defensor ferrenho dos direitos humanos que antagoniza com o tenente-coronel. Além disso, Nascimento ainda precisa administrar a desconfiança de Matias (André Ramiro), agora capitão do Bope.

Por um desses acasos do destino, uma operação do Bope acaba saindo fora do planejado e Nascimento, envolvido na politicagem caça-votos, assume a Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro.

Absorvido pelo que ele define como o mal encarnado (fato do qual ele só se dará conta mais tarde), o dito sistema, Nascimento percebe que a estrutura de poder, com as altas esferas de tomada de decisão interligadas entre si num arranjo perverso, está infectada pelo vírus hobbesiano da corrupção, que utiliza as próprias forças de segurança para garantir esquemas que movimentam milhares de reais por mês.

Desta vez o inimigo não é o tráfico, mas outro câncer social: as milícias. Em constante transformação para detectar a melhor maneira de se dar bem e ganhar dinheiro em cima do próximo, fora do radar dos anticorpos da opinião pública, o vírus da corrupção oferece uma alternativa para policiais degenerados que não conseguem mais lucrar com o arrego dos traficantes, sufocados pela determinação de Nascimento e seu exército de preto.

Liderada pelo major Rocha, o Russo, interpretado por um inspirado Sandro Rocha, uma parte da banda podre da PM transforma as favelas livres do tráfico, na zona Oeste do Rio, em fontes de renda. O filme de Padilha nos mostra como se deu gênese das máfias cariocas e sua força como palanque de interesses políticos.

Abatido, curvado pelas circunstâncias, Nascimento enxerga nos meandros da política a podridão que coopta as forças de segurança e as transforma em adubo para outro tipo de mal – que floresce longe das áreas mais carentes da cidade, e se ramifica até Brasília.

Carlos Eduardo Bacellar

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Carlos Eduardo Bacellar, Filmaço!!!

2 Respostas para “O homem lobo do homem

  1. Opinião 99% compartilhada, pois a unanimidade é burra, como diria o nosso filósofo tupiniquim Nelson Rodrigues. É bem isso… Thomas Hobbes, sempre ele. Aliás, acho que voltarei à ele e a Platão muito em breve. Enquanto isto, compartilho o pensamento do Dani, meu irmão: por quê este filme não foi lançado antes das eleições, por quê? Dá uma espiada no blog do Maurinho Ventura, em O Globo. Ele fez a minha leitura cerebral. E depois que o li, pensei: não há nada além a escrever. É um filme extremamente político e necessário. Mas desnecessária a aérea que conduz ao “Alvorada”. Isto eu não gostei.

    • Para falar a verdade, não estava muito inspirado neste texto. Um filme que vai bater fácil os 5 milhões de espectadores não precisa de mais palavras. Só não queria deixar passar em branco, porque achei outro golaço do Padilha.
      O “Tropa” não foi lançado antes das eleições, na minha ótica, por motivos óbvios: este é um documentário temperado com ficção, qualquer semelhança com personagens e situações reais não é mera coincidência.
      Li o texto do Mauro Ventura e gostei.
      Beijos!
      CEB

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s