Harry Potter em busca das relíquias da vida

A função da literatura é criar, partindo do material bruto da existência real, um mundo novo que será mais maravilhoso, mais durável e mais verdadeiro do que o mundo visto pelos olhos do vulgo.” (Oscar Wilde)

Harry Potter cresceu. Inevitável. Um dia todo mundo cresce, mesmo que seja só verticalmente. As taxas hormonais em ascensão e a fita métrica não me deixam mentir. Mas é possível perceber algo mais em seu semblante, marcado por uma cicatriz em forma de raio, que frustra interpretações epidérmicas. Harry amadureceu. Outro tipo de crescimento que nenhum fisiologista poderia auferir objetivamente. O desenvolvimento emocional depende do que a vida nos impõe; e de como reagimos a essas imposições.

No oitavo filme da franquia idealizada no âmbito literário pela inglesa J. K. Rowling sob a responsabilidade do diretor David Yates , o bruxinho mais famoso da história do cinema (e da literatura), e digo isso sem titubear, entende o verdadeiro significado da palavra sacrifício. Harry, em sua caçada às horcruxes de Voldemort, enfim compreende seu papel na concepção de um mal que o assombra (e a todos os seus) desde o berço. E o que precisa ser feito não para resguardar a si próprio, mas para proteger as pessoas que ama. O autruísmo autodestrutivo máximo.

Neste encerramento cinematográfico dos capítulos finais do sétimo livro roteirizado por Steve Kloves , Rowling submete Harry a provações que não o fortalecem, muito pelo contrário. Elas o envolvem no sudário da resignação. Mais do que aceitar seu destino trágico, Potter o sorve de um gole só, como se fosse a poção mágica responsável pela desinfecção de todas as chagas: as aparentes (da carne) e as envoltas pelo manto de invisibilidade chamado coração, as quais feitiço nenhum pode desvelar. Ironicamente, essas marcas invisíveis entalhadas em nosso íntimo podem ser alcançadas tanto pelo veneno como pela cura, dependendo da forma com que construímos nossa retórica emocional após as perdas (sejam elas quais forem). E Harry, ao perceber que continuar ou não só depende dele, coloca o niilismo de lado e se agarra à amizade como a muleta de que precisa para ficar em pé outra vez.

No duelo final com Voldemort, nosso herói canhestro desperta para sua imperfeição a interseção que existe dentro dele entre o bem e o mal, criando uma zona cinza chamada livre arbítrio que se equilibra entre o certo e o errado; e o que é mais desafiador, entre o mal e o menos mal, ou o certo e o mais certo. O maniqueísmo, impresso por Rowling até na disposição das casas da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts (eu não queria ser da Sonserina nem a pau!), é dissolvido na construção psicológica de seu principal personagem. A escritora simplifica o plano estrutural por um lado, mas complexifica o íntimo de cada personagem de outro. Alguém disse trama infanto-juvenil? Sério? Estou assustado com esses adolescentes…

Bom, voltando… Aceitar o lado negro (o que existe de pior em nós) e aprender a lidar com ele talvez seja um desafio maior para Harry do que eliminar seu antagonista, encarnação do mal em estado concentrado, uma metáfora (talvez) do que não queremos que prevaleça nas relações humanas. Na verdade, Voldemort não pode ser aniquilado no que entendemos por vida real, somente contido. As relíquias da morte? Esqueça… São presentes de grego da morte. O verbo, caro leitor, é mais poderoso que qualquer artefato mágico.

Alvo Dumbledore é um sábio quando diz: “Palavras, na minha não muito humilde opinião, são as mais inesgotáveis fontes de mágica. Capazes de infligir a dor ou curá-la”.

Rowling sinaliza que nem sempre escolheremos a sintaxe correta, impecável, mas não podemos deixar de buscá-la, mesmo perseguidos (sempre seremos) pela carga semântica representada por Lord Voldemort, inerente ao que é humano. Harry Potter, por meio da dor das perdas e do sacrifício, assimilou isso e cresceu. E nós crescemos junto com ele. Obrigado novamente, J. K. Rowling!

Carlos Eduardo Bacellar

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Carlos Eduardo Bacellar, Quase uma Brastemp

2 Respostas para “Harry Potter em busca das relíquias da vida

  1. Retóricas emocionais a parte, eu gosto ainda mais de vc agora que sei que vc curte Harry Potter. Mais do que isso, que se deixa levar e se emocionar pela maravilhosa imaginação de JK ROwling. Perfeita citação a Oscar Wilde, by the way.
    Bjs

  2. Pingback: Oscar 2012: apostas de um nefelibata | Doidos por Cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s